Fred Di Giacomo

sentimos-muito-claudia-1

Ensaio sobre a cegueira social

Postado em 09/22/2017






por Fred Di Giacomo (Texto originalmente postado no site Glück Project) Quando eu estava no ensino médio, minha escola organizou uma pequena excursão para “conhecer a realidade e pobreza do Brasil”. Iríamos sair na última aula para visitar uma família carente cuja mãe sozinha criava uma filha que tinha contraído HIV e um filho que agora estava preso. Iríamos entregar uma cesta básica para eles e conversar sobre a vida dura que levavam. A intenção das freiras que dirigiam nossa escola…

Continue lendo…

Cena do clipe Esquina da banda De Bolso

Ouça “Envelhecer”, primeiro disco da banda De Bolso, e assista ao clipe de Esquina.

Postado em 06/09/2016






Assista ao belo clipe de “Esquina”– uma animação do artista mineiro Alisson Lima: A banda é nova,  clipe e disco acabaram de sair do forno, mas já vem ganhando elogios e divulgação em veículos como Play TV (onde o clipe de “Esquina” estreiou, em maio) Miojo Indie, PdH e Moozyca A “De Bolso” é uma banda formada, em São Paulo, por Diego Bravo (percussão e vocais), Fred Di Giacomo Rocha (baixo, voz e cavaco), Karin Hueck (voz e teclados) e…

Continue lendo…

Seu Jorge

O rock nacional nos fez ter vergonha da nossa cultura, dos nossos cabelos e dos nossos sotaques – e eu aplaudi isso metade da minha vida.

Postado em 06/09/2016






(este texto foi originalmente postado no Medium, em 2016, e republicado no HuffPostBrasil, Glück, Geledés e Whiplash, entre outros.) por Fred Di Giacomo Phil Anselmo (ex-vocalista do Pantera) fez uma saudação nazi e chocou o mundo gerando uma série de discussões sobre o heavy metal ser ou não um gênero musical reaça. Me lembrou de uma entrevista do Seu Jorge que dizia que “rock não é um gênero pro negro”. Lembro que depois dessa entrevista, muitos brancos quiseram ensinar pro…

Continue lendo…

tiradentes-supliciado-de-pedro-americo2-e13923222658821

A história do ódio no Brasil

Postado em 06/08/2016






por Fred Di Giacomo. (esse post foi publicado no Glück Project , em 2014, e republicado nos sites Fórum, Geledés, GGN e outros) “Achamos que somos um bando de gente pacífica cercados por pessoas violentas”. A frase que bem define o brasileiro e o ódio no qual estamos imersos é do historiador Leandro Karnal. A ideia de que nós, nossas famílias ou nossa cidade são um poço de civilidade em meio a um país bárbaro é comum no Brasil. O “mito do homem…

Continue lendo…

joguei-iphone-conto-fred-giacomo

Joguei meu iPhone nas águas do Tietê

Postado em 06/08/2016






(Esse conto foi originalmente publicado no meu livro “Canções para ninar adultos” e já ganhou uma tradução para o alemão, além de ter sido publicado no Punk Brega e no Glück Project) por Fred Di Giacomo Joguei meu iPhone no meio das águas sujas do Tietê. Era o que precisava ser feito. Era o que eu tinha que fazer. *** — Você foi feliz? — Como assim, Alex? Pergunta estranha… — Não, vô, queria saber se você foi feliz, de…

Continue lendo…

maxresdefault-9

Eu odeio a minha geração

Postado em 06/07/2016






por Fred Di Giacomo Tentei ser uma boa pessoa Meditei Refleti Fiz análise Tomei psicotrópicos Desbundei Fumei maconha Viajei Mas continuo um merda. *** Eu odeio minha geração Toda bundamolice, egoísmo, choradeira e egolatria Eu canto minha geração e vomito na minha geração Porque cada átomo que pertence a vocês Pertence a mim E isso me dá náusea. Hoje arranquei os olhos da televisão Queimei os campos de futebol Flanei pelas farmácias espaciais que vendem alegria artificial Ri das revistas…

Continue lendo…

conto-fred-ancora-chamada-luxuria

Uma âncora chamada luxúria

Postado em 06/01/2016






Esse conto faz parte do meu primeiro livro “Canções para ninar adultos” e foi publicado, também, no  site PdH Lívia reluzia tanto que cegava Bruno de paixão. Tão lúcida era ela, que o fazia inseguro. Líquida, espalhava-se sobre seu corpo, derramando prazer no torso nu do rapaz que chamava de homem. Numa sala cheia, Lívia era um detalhe. Um detalhe tremendamente bonito. Seus olhos eram miúdos, a boca carnuda, os cabelos vigorosamente negros. Escondia, em meio à beleza inquestionável, sua timidez….

Continue lendo…

Não, a Geração Y não fracassou

Não, a Geração Y não fracassou

Postado em 12/07/2015






publiquei esse texto originalmente no Papo de Homem Respire fundo antes de ler esse texto e deixar seu comentário no final. Vamos respirar antes de cravar que nossa geração é a mais bunda-mole do universo. Com certeza somos tão bunda-moles quanto a humanidade tem sido neste mundinho feito de caô, fúria e boas intenções não realizadas, mas ficar apenas no discurso do tipo “Ai, como a geração Y é fútil, não realiza, não tem responsabilidade, não sabe cozinhar” só vai…

Continue lendo…

Sotaque-Wagner-Moura

O sotaque de Wagner Moura e nosso complexo de vira-latas

Postado em 12/07/2015






Wagner Moura deveria ganhar um prêmio pela sua atuação em “Narcos”, segundo o New York Times – jornal mais importante do mundo. O inglês Guardian foi generoso com a série e seu personagem. Sua atuação também foi elogiada pelodescolado Verge, braço cultural da Vox Media. Já os brasileiros, com seu tradicional complexo de vira-latas, preferiram concentrar suas críticas no pouco convincente sotaque espanhol sem aromas de colombiano oitentista do ator. Sei lá, não sei se é coisa de quem fez…

Continue lendo…

maioridade-penal

“Graças a Deus aprovaram a redução da maioridade penal” #diálogosbrasileiros

Postado em 12/07/2015






_Graças a Deus aprovaram a redução da maioridade penal. Justiça seja feita! _Pô, não consigo entender como a redução da maioridade vai resolver o problema da violência no Brasil. _Para, cara, quero ver quando alguém da sua família for morto ou estrupado por um traficante menor de idade. Você vai chorar pra quem? Pro Batman? _Traficante? Pô, mas você fuma maconha todo dia e ainda cheira nas baladas. Virou moralista? _Ah, mas eu compro do Marcelinho, ele não é bandido,…

Continue lendo…

Older Posts